quinta-feira, 16 de setembro de 2010

AUTODEFESA PSÍQUICA


Como desenvolver um forte sistema imunológico físico, emocional, mental e espiritual.
A luta acontece em diversos planos. Primeiro você luta para permanecer consciente e alerta, não caindo naquilo que chamo piloto automático, como autômatos, completamente alheios a todas as forças negativas que estão operando: o ego negativo, o glamour, ilusão e maya (este mundo em que vivemos), além das investidas das energias negativas dos planos físico, ambiental, psicológico e espiritual. Segundo, você luta para manter sua mente limpa de pensamentos negativos, e conseqüentemente seus sentimentos puros. Luta para evitar o glamour, a ilusão e o ego negativo para que não seja dominado pela sua consciência. Luta para permanecer interiorizado, equilibrado. Luta para conservar o amor incondicional, a alegria, o equilíbrio da mente e a paz interior. Luta para se curar de uma doença física ou de uma perturbação nos planos emocional, mental e espiritual. Luta contra o cansaço. Luta para controlar a mente subconsciente e para dominar seu três veículos ou corpos inferiores. Luta para permanecer consciente de que é Deus.
Você precisa aprender a ser um “Guerreiro Espiritual na Vida”.
Sabemos que temos que combater com inteligência, amor e maturidade nossa própria energia negativa que criamos com o nosso ego. Mas também sabemos que existem energias negativas nos ambientes diversos e nas outras pessoas. Temos que saber nos defender de todas as energias que nos circundam.
Quando você se der conta do seu potencial, nunca mais voltará a ser vítima de nada; será então senhor absoluto e causa de sua própria realidade.

Ataques Contra O Sistema Imunológico Físico

A primeira coisa com que o corpo físico tem que lidar é com a poluição. Além da poluição atmosférica, a água supostamente potável é tóxica. Há uma enorme quantidade de poluição sonora. Esses ruídos nos afetam muito mais do que você imagina.
Os oceanos estão poluídos. Os peixes estão saturados de mercúrio. Há restaurantes de comidas rápidas e que esse alimento é morto e nocivo ao organismo.
A água potável é tratada com flúor, beber água fluorada abate o sistema imunológico. As pastas de dentes estão saturadas de flúor. Os dentistas preenchem as cavidades dentárias com mercúrio, uma das substâncias mais tóxicas para o corpo humano e extremamente agressiva desencadeando em excessos distúrbios de comportamento; pior mesmo plutônio ou radiação nuclear. Depois de 10 ou 15 anos, os blocos de mercúrio racham e invadem o sistema orgânico gerando destruição.
O governo americano executa testes nucleares que deixam vestígios na atmosfera por 40 anos. Depois há ainda o lixo nuclear, com o qual ninguém tem a mínima idéia do que fazer. “A última idéia brilhante é usar um pouco desse lixo para tratar frutas, legumes e verduras com a radiação, prática que já foi aprovada por um órgão de defesa do consumidor”, o FDA (Food and Drug Administration, instituição americana que fiscaliza alimentos e medicamentos). Isso, claro “É A MAIOR PIADA DO UNIVERSO”.
Quando o alimento passa pelo caixa do supermercado, ele é atingido novamente por algum tipo de radiação para que o preço seja registrado automaticamente. Peço que você se dê conta de que isso envenena energeticamente o alimento.
Grande quantidade de chumbo que encontramos nos esmaltes, tintas de cabelo, produtos químicos de estética, bateria de carro “Chumbo insuficiência renal, paralisia dos rins, reumatismo, paralisia dos membros, atrofia muscular causando cegueira, esclerose, sentem as pernas pesadas (indo até para a cadeira de roda); afetando os intestinos. Esses estudos foram feitos pelo Mestre Samuel Hahnemann ao estudar as patogenesias e suas causas. Desenvolvendo o próprio Chumbo Homeopatizado.
No interior do Planeta Terra, existe uma grande quantidade de enxofre. Com a rachadura da placa tectônica o  enxofre está vindo para a superfície.
Grande quantidade de enxofre cria em nosso campo físico, etérico e energético o miasma da psora (palavras do mestre Samuel Hahnemann), trazendo à tona a Lepra que conseqüentemente desenvolve a Sarna. Cada indivíduo com sua característica e comportamento desencadeia patogenesias crônicas que se alastra sutilmente criando condições favoráveis a criação da “Chamada Doença”, instalando-se com muita força e criando raízes.
Aos agricultores por sua vez, usam quantidades enormes de pesticidas em todas as frutas, legumes, verduras e cereais que você consome diariamente.
O Iodo está por toda a parte, principalmente no Sal de cozinha. Consumir muita quantidade de iodo desequilibra a glândula tireóide causando uma desorganização em massa das células, glândulas e dos corpos: mental, emocional e energético.
Os médicos não recebem nenhum treinamento sobre dietas, nutrição ou práticas holísticas; assim, em vez disso, receitam remédios e antibióticos a três por dois. Os antibióticos varrem todas as bactérias benéficas e envenenam o fígado, desequilibrando todo o corpo físico e seu sistema imunológico, enquanto os lêvedos se multiplicam desordenadamente. Depois, normalmente, a pessoa volta ao médico com muitas reações físicas, mentais, energéticas (sinais e sintomas), sendo assim o médico realiza exames clínicos com toda espécie de máquina de alta tecnologia, corantes e radiações que envenenam ainda mais o paciente. “Isso é tecnologia!”.
O dentista tira chapas de raio X que descarregam sobre ele um pouco mais de radiação.
Tem – se divulgado que as pessoas desenvolvem câncer por morar próximas demais a linhas de transmissão de eletricidade. Nós somos constantemente bombardeados pela radiação de televisores, computadores, tostadores, microondas, celulares, forno elétrico etc. Há muitas formas de se proteger das radiações eletromagnéticas, uma delas é a radiônica.
O sistema imunológico precisa combater a intoxicação por alumínio, em função do uso de panelas, travessas e folhas de alumínio. Criando a patogenesia do alumínio. Toxicologia: Tudo é mais lento no paciente, tenderá para a rigidez e lentidão orgânica e mental, chegando à paralisia. Os demais sentidos estão debilitados. Ação tóxica sobre o sistema nervoso central, depressão domina (psiquismo com irritabilidade pela fraqueza; paresias generalizadas ou localizadas). (Hahnemann).
As pessoas que bebem água encanada também podem infundir no organismo volumes excessivos de cobre, por causa da tubulação de cobre.
Por poluirmos tanto o planeta, acabamos provocando um gigantesco buraco na camada de ozônio, que permitem a passagem de uma quantidade excessiva dos raios ultravioletas emitidos pelo sol. Esses raios provocam câncer de pele e também causam outros efeitos tóxicos.
Estamos correndo riscos sérios por causa da destruição em massa das florestas; uma das principais é a floresta amazônica, faz com que o nível de oxigênio diminua. A quantidade enorme de cimento que cobre a terra não permite que a Mãe Terra respire adequadamente, o que obviamente traz resultados adversos. A água do subsolo também vem sendo poluída por aterros sanitários tóxicos.

Patrícia Jorge Alves – 24/08/08
Terapeuta Homeopata
ATENEMG – 1498
CONAHOM - 1081




O que é Parapsicologia?

Parapsicologia é o processo científico de investigação dos fenômenos inabituais, de ordem psíquica e psicofisiológica. É uma disciplina científica, mas não propriamente uma ciência, pois o seu lugar científico é nos quadros da Psicologia. Os próprios fundadores da moderna Parapsicologia sustentam a sua natureza dependente, embora reconhecendo a necessidade de sua autonomia transitória. É necessário compreendermos isso para não atribuirmos à nova disciplina uma posição excepcional no plano do conhecimento, e sobretudo para não lhe darmos um sentido ou um caráter misterioso. Colocando as coisas em seu devido lugar, podemos dizer que a Parapsicologia é uma nova forma de desenvolvimento das pesquisas psicológicas. A ambição dos parapsicólogos, dos primeiros momentos até agora, tem sido uma só: conquistar para a Psicologia uma área de fenômenos psíquicos ainda desconhecidos. Não quiseram e não querem transformá-la numa ciência independente. O objeto da Parapsicologia são os fenômenos psíquicos não-habituais, mas apesar disso naturais, comuns a toda a espécie humana. E mais do que isso: comuns às demais espécies vivas, pois há também a Parapsicologia Animal. Embora situada no campo científico da Psicologia, a Parapsicologia liga-se naturalmente a outras áreas das Ciências. Porque os fenômenos parapsicológicos são de ordem vital, psíquica e física. Sua complexidade é a mesma de todas as formas de manifestações vitais. Por isso, eles podem ser estudados e interpretados de várias maneiras, a partir de diferentes posições. Por exemplo: os parapsicólogos norte-americanos e europeus, da escola de Rhine, encaram os fenômenos como de natureza psicológica; e os parapsicólogos russos, da escola soviética, encaram os fenômenos como de natureza fisiológica. Os primeiros afirmam, atualmente, a natureza extrafísica, ou tipicamente psíquica, desses fenômenos, que nada teriam de material; os segundos sustentam a sua natureza fisiológica, e portanto material. Essa e outras discrepâncias não invalidam nem prejudicam o desenvolvimento da Parapsicologia, que se processa com a mesma rapidez nos dois campos ideológicos em que se divide o nosso mundo. Porque, cientificamente, pouco importam as interpretações. O que interessa é o desenvolvimento da investigação, a descoberta progressiva, através de pesquisas científicas bem dirigidas, rigorosamente controladas e criteriosamente avaliadas nos seus resultados, da natureza dos fenômenos parapsicológicos. Somente isso poderá levar a Parapsicologia à conquista efetiva da área ou zona de fenômenos psíquicos e psicofísicos até há pouco inteiramente desconhecida, mas já agora bem demarcada nos mapas. O livro do Professor Joseph Banks Rhine, da Duke University, Estados Unidos, O Novo Mundo da Mente, apresenta-nos essa área na forma de um mapa bem delineado. Esse mundo, como diz o autor, só é novo para as Ciências. Porque, na realidade, é conhecido do homem há muitos milênios. Talvez desde que o homem existe. As Ciências atuais, que tratam de questões objetivas, deixaram de lado vastas zonas do conhecimento antigo cuja investigação objetiva era difícil, senão impossível. A zona dos fenômenos parapsicológicos foi uma delas. Mas agora, que as Ciências apresentam um grande desenvolvimento em todas as direções do conhecimento, já se torna naturalmente possível enfrentar o perigo e correr os riscos de investigações nessas zonas. Não é justo, pois, acusarmos os parapsicólogos de medrosos por avançarem vagarosamente, nem os acusarmos de temerários quando arriscam interpretações como a extrafísica de Rhine ou a materialista de Vassiliev. Os que avançam por zonas desconhecidas devem ter a coragem das afirmações, quando se julgam suficientemente seguros nas suas conquistas. Mas os que ainda não obtiveram os mesmos êxitos têm o direito de duvidar e continuar avançando de maneira cautelosa. Isso acontece em todas as Ciências e em todas as disciplinas científicas e não somente na Parapsicologia. Os que alegam essas divergências como motivo para não tomarem conhecimento das novas descobertas são apenas comodistas. Encontram uma boa desculpa para não se darem ao incômodo de levantar-se de suas confortáveis poltronas, mas continuam cochilando enquanto o progresso caminha com os que andam. Apesar disso é necessário estabelecer uma diferença entre a audácia dos exploradores legítimos e a impostura dos aventureiros. Estes aproveitam-se das confusões naturais e passageiras do desenvolvimento da nova disciplina científica para mais confundi-la no espírito público, em benefício de seus interesses pessoais ou sectários. É lícito ao investigador honesto, credenciado por seus conhecimentos e sua dedicação à ciência, tirar ilações audaciosas de suas conquistas, mesmo porque o fará dentro dos limites exigidos pelo bom-senso e a honestidade. Mas não é lícito ao aventureiro fazer afirmações infundadas e desonestas, torcendo e distorcendo as coisas para defender a sua opinião pessoal ou de grupo. A Parapsicologia tem sido vítima desses aventureiros, que o povo não sabe distinguir dos investigadores e dos estudiosos honestos. Costumam dar espetáculos públicos em nome da nova disciplina científica, iludindo as pessoas desprevenidas, como se a Parapsicologia fosse uma nova forma de magia e ilusionismo. Arrastam as pessoas dotadas de sensibilidade especial às salas de espetáculo e as exibem às câmaras de televisão, sem o menor respeito pelo critério científico. Dão cursos de Parapsicologia sobre “comunicações com os mortos” e coisas semelhantes, como se problemas dessa natureza já estivessem resolvidos pela pesquisa parapsicológica, que mal os aflorou ainda, sem chegar a qualquer resultado definitivo. E tudo isso parece ter por finalidade o desprestígio da Parapsicologia, com objetivos obscurantistas. O mesmo já sofreu a Psicologia, em passado recente. O mesmo sofreram outras Ciências e disciplinas científicas. Ninguém pode impedir que a ignorância, a má-fé interesseira, ou mesmo a ingenuidade promovam arruaças desta espécie em zonas pouco policiadas, como as da divulgação científica. Mas é evidente que as pessoas interessadas no conhecimento verdadeiro da Parapsicologia e do que se faz, nos grandes centros universitários do mundo, a seu respeito, não podem deixar-se embair por esses charlatães. Até mesmo nas instituições científicas, dedicadas exclusiva e rigorosamente ao tratamento científico da nova disciplina, eles têm conseguido infiltrar-se, defendendo teses absurdas, sustentando hipóteses duvidosas como verdades comprovadas ou fazendo exibições anticientíficas de sujets paranormais. Os interessados em Parapsicologia devem compreender, antes de tudo, que uma disciplina científica não comporta exibições de tipo teatral. O verdadeiro parapsicólogo, ou simplesmente o verdadeiro estudante de Parapsicologia, jamais se apresentará num programa de televisão ou num salão para dar espetáculos de ilusionismo e malabarismo ou para tentar as conhecidas “demonstrações” de telepatia pelo método de esquina de rua. A Parapsicologia se fundamenta na pesquisa científica de laboratório, arduamente realizada, com todos os rigores necessários do controle científico, obtendo resultados que são submetidos a tratamento matemático para que possam ser legitimamente avaliados. Fora disso, o que temos é simples empirismo, charlatanismo ou ingenuidade. Os cursos populares de divulgação parapsicológica são benéficos quando dados por instituições científicas idôneas, com a finalidade de esclarecer o público e adverti-lo contra as mistificações. Seus certificados e diplomas têm apenas o valor de um atestado de boa-informação. Esses cursos não formam parapsicólogos. Apenas informam os seus freqüentadores quanto aos problemas e aos objetivos da nova disciplina. É assim, apenas assim, que devem ser encarados. Quando, pois, um pretenso parapsicólogo se propõe a “ensinar” que a Parapsicologia nega a existência de espíritos, de comunicações espirituais, de princípios religiosos e filosóficos, como o da reencarnação e o da existência de Deus, os seus diplomas e certificados não têm sequer o valor de atestado de informação sobre o assunto. Convém deixar bem claro que alguns parapsicólogos de renome mundial, sérios e altamente capacitados, chegaram a sustentar, com base nas ilações que tiraram de suas investigações, a supervivência da mente após a morte física. O Professor Whately Carington, da Universidade de Cambridge, responsável pelas famosas experiências de telepatia com desenhos que forneceram as primeiras provas científicas da precognição, chegou a formular uma teoria parapsicológica da existência post-mortem. O Professor Harry Price, catedrático de lógica da Universidade de Oxford, sustenta a mesma tese, afirmando que a mente humana sobrevive à morte e tem o mesmo poder da mente do homem vivo, de influir sobre outras mentes e sobre o mundo material. O Professor Soal, da Universidade de Londres, realizou com êxito experiências de voz direta, nas quais a voz do comunicante vibra no espaço independentemente do sensitivo ou médium. O Professor Rhine, em O Novo Mundo da Mente, reconhece que nas experiências examinadas por sua esposa, a Professora Louise Rhine, na Duke University, há casos que sugerem a participação de uma entidade extracorpórea. Enquanto isso, Robert Amadou, na França, sustenta a posição católica segundo a qual os fenômenos paranormais são de ordem inferior, relacionados com o psiquismo animal, de maneira que não podem provar nada a respeito da alma e sua sobrevivência. “A rigor – escreve Amadou –, podemos aceitar que alguns elementos inferiores do psiquismo conservem, depois da morte funcional do corpo, uma existência própria, e continuem, assim, não propriamente uma individualidade ilusória, que durante a vida era tomada pela verdadeira personalidade, mas aquilo que a tradição chinesa denomina de influências errantes. Tratar-se-ia de imagens e lembranças que não estariam ligadas a nenhuma consciência, de fatos psíquicos isolados, segundo a expressão do Professor Broad, de fragmentos capazes de inspirar o médium” (La Parapsychologie, 4ª parte, cap. III, A questão da sobrevivência). Essa posição de Amadou e Broad coincidem com a teoria teosófica de Helena Petrovna Blavatsky da existência dos “cascões astrais” ou corpos espirituais abandonados por almas ou espíritos. Teoria, aliás, considerada absurda por alguns teósofos, como se vê no livro de P. A. Sinnet: Incidentes da Vida da Senhora Blavatsky. Sinnet considera essa teoria como simples resultado de uma precipitação de Blavatsky. E acrescenta: “Todos quantos, posteriormente, estudaram ocultismo, sabem hoje que o plano astral desempenha na vida de além-túmulo um papel muitíssimo mais importante do que a errônea teoria dos cascões nos fez inicialmente supor” (Cap. VIII: Residência nos Estados Unidos). Mas é evidente que tudo isso nos serve para mostrar que a Parapsicologia em si, como disciplina científica, não nega nem prova a realidade da sobrevivência espiritual e suas conseqüências. A controvérsia a respeito existe no campo parapsicológico como em qualquer outro. Torna-se necessário, pois, a distinção entre Parapsicologia e interpretações parapsicológicas. A Parapsicologia, como disciplina cientifica, trata objetivamente dos fenômenos paranormais, encontrando-se ainda na orla da praia desse vasto continente em que se estendem as planícies ou as regiões montanhosas das doutrinas religiosas e ocultistas. As interpretações religiosas e filosóficas dos resultados obtidos pela pesquisa parapsicológica podem ser, de acordo com a posição do analisador, favoráveis ou contrárias à sobrevivência espiritual do homem. Mas é evidente que mesmo nessas interpretações existem as que se orientam pelo bom-senso e a honestidade e as que se desmandam em distorções dos fatos visando a objetivos sectários. Cabe às pessoas de bom discernimento fazerem a distinção necessária. A Parapsicologia aparece no campo das investigações psicológicas como a conseqüência natural do desenvolvimento da chamada psicologia profunda, a partir de Freud, e da psicologia da forma ou Gestalt, a partir de Wertheimer. A Psicanálise iniciou a investigação do inconsciente, que a Parapsicologia aprofunda, e a Gestalt desenvolveu os estudos da percepção, que a Parapsicologia amplia. Do encontro e da fusão dialética desses dois ramos da Psicologia surgem a teoria e a pesquisa da percepção extra-sensorial, considerada esta como captação direta da realidade pelo inconsciente, num processo gestáltico de percepção, ou seja, numa forma de percepção global que os sentidos físicos não abrangem. Os limites do psiquismo se ampliam muito além do sensório comum. A Psicologia se liberta da sua sujeição ao físico e mesmo ao fisiológico, sem entretanto esquecer a realidade do condicionamento psicofisiológico.

Patricia Jorge Alves
Terapeuta Homeopata

O UNIVERSO FASCINANTE DO HOMEM

O UNIVERSO FASCINANTE DO HOMEM
APRESENTA...
UMA NOVA REALIDADE

Você se Conhece?

O QUE É REALIDADE?

EU CRIO MINHA REALIDADE?

EU FAÇO A REALIDADE OU ELA ME FAZ?


QUAIS SÃO OS LIMITES, SE HOUVER, DA SUA CRIATIVIDADE E DO SEU PODER?

QUANDO SEI QUE É MINHA PERSONALIDADE QUE ESTÁ CRIANDO E
QUANDO SEI QUE É MINHA CONSCIÊNCIA MAIS ELEVADA?

Todos os dias criamos nossa própria realidade, embora achemos difícil aceitar isso. A maneira de como observamos o mundo ao redor é o que volta para nós.

Venha participar e redescobrir sua realidade.    VOCÊ!

Em Breve...
Fiquem Atentos!
"A Identificação com a "Mente"

A Identificação com a Mente cria um filtro opaco de conceitos, rótulos, imagens, palavras, críticas e definições que bloqueiam qualquer relacionamento verdadeiro. Coloca-se entre si e o seu EU, entre si e o seu semelhante, entre si e a Natureza, entre si e Deus. Este filtro de pensamento que cria a ilusão que cria a ilusão da Separação e a ilusão de que existe você e um "outro" totalmente separados. Você é "Uno" com tudo o que é.
A Mente é um instrumento magnífico se for usada corretamente. Falando com mais exatidão, não se trata de você usar a Mente erradamente; geralmente não a usa de maneira nenhuma. É ela que usa a si. Você acredita que é sua Mente.
Quando escutar um pensamento, esteja ciente que não só do pensamento, mas também de si próprio como testemunha do pensamento, surgindo uma nova "Dimensão" de pensamento. Escute, observe, sinta seu pensamento.

Patricia Jorge Alves
Terapeuta Homeopata
Atenemg 1498
Conahom 1081

A CRISE MORAL

"Nossa época é de perturbação e transição..."
A época em que vivemos é grande pela soma dos progressos realizados. Se os progressos na ordem física e na ordem intelectual, são notáveis, é, pelo contrário, nulo o adiantamento moral. O Mundo recua; as sociedades humanas, absorvidas pelas questões políticas, pelas atividades industriais e financeiras, sacrificam os seus interesses morais ao bem estar material.  Sem dúvida, ela conseguiu, mas até certo ponto. Multiplicou as necessidades, aguçando os apetites, os desejos, favoreceu o sensualismo e aumentou a depravação. O amor do prazer, do luxo, das riquezas tornou-se mais e mais ardentes, dando suma importância aos bens materiais como uma forma de satisfazer e complementar a falsa felicidade.
A embriaguez, a prostituição, o deboche por toda a parte derramam seus venenos, esgotam a vida em sua fonte e enervam as gerações, enquanto os jornais semeiam a injuria, a mentira, e simultaneamente, uma literatura criminosa vai excitando os cérebros e debilitando as almas.
A desesperança e o suicídio fazem novas devastações. Um grande número de suicídios aumentando a cada ano. O número de crimes e delitos triplicou consideravelmente. Muitos adolescentes são os causadores, e nada os acontece. De quem é a culpa? Da família? Da Sociedade? Do governo?
Através do progresso da ciência e do desenvolvimento da instrução, o homem se ignora a si próprio. Sabe pouca coisa das Leis do Universo, nada sabe das forças que estão em si. O conhece-te a ti mesmo, do filósofo grego, ficou para a imensa da maioria dos homens, um apelo estéril. O Ser Humano ignora sua própria existência. Nenhum ensino veio dar-lhe a noção exata de seu papel neste mundo, de seus deveres e de seus destinos.
A Ciência materialista, com frias negações e exagerada inclinação para o individualismo, sem entender a real necessidade do ser humano.
No meio dessa confusão de idéias, a consciência perdeu sua bússola e sua rota. Ansiosa, caminha ao acaso, e na incerteza que sobre ela pesa.
As conseqüências deste conflito fazem sentir-se por toda parte: na família, no ensino e na sociedade.
Como sairá a humanidade desse estado de crise¿ Para isso só há um meio: achar um terreno de conciliação onde essas duas forças: o sentimento de Amor Puro e a razão, possam unir-se para o bem e a salvação de todos. Todo ser humano tem essas duas forças. Para terminar esse conflito, é necessário que a luz se faça aos olhos de todos, grandes e pequenos, ricos e pobres, homens, mulheres e crianças; é preciso que um novo ensino popular venha esclarecer as almas quanto a sua origem, aos seus deveres e destinos.
Tudo está nisso. Só essas soluções podem servir de base a uma educação viril, tornar a Humanidade verdadeiramente forte e livre. Sua importância é capital, tanto para o indivíduo a quem dirigem em sua tarefa cotidiana como para a sociedade, cujas instituições e relações elas regulam. O homem faz do Universo, das suas leis, o papel que lhe cabe neste vasto teatro, reflete-se sobre toda a sua vida e influi em suas determinações. As Leis são cumpridas. Causa e Efeito ; Ação e Reação. A todo momento somos testados pela nossa conduta, nossos pensamentos e quem somos realmente.
A miséria Humana em que estamos é o projeto de nosso Ego. O poder controlador de tudo e de todos. Suprimir, controlar, as ditas”verdades” que são impostas pela sociedade e por todas as instituições. Pergunto: Quem Somos Nós? Qual meu objetivo? Qual meu propósito? Qual meu foco? Hajo com a verdade Universal? Uso o verdadeiro amor incondicional ou o amor egoísta?
Para levantar o nível moral, para deter a dupla corrente da superstição e do cepticismo, que arrastam igualmente à esterilidade, é preciso uma nova concepção do mundo e da vida que, apoiando-se no estudo da Natureza e da consciência, na observação dos fatos, nos princípios da razão, fixe o alvo da existência e regule nossa marcha para adiante. O que é preciso é um ensino do qual se deduza um incentivo de aperfeiçoamento, uma sanção moral e uma certeza para o futuro.
Se estudarmos as leis da Natureza, se procurarmos o princípio das verdades morais que a consciência superior nos revela, se pesquisarmos a beleza ideal em que se inspiram todas as artes,em toda parte e sempre, acima e no fundo de tudo, encontramos a idéia de um Ser superior, de um Ser necessário e perfeito, fonte eterna do Bem, e do Belo e do Verdadeiro, em que se identificam a Lei, a Justiça e a Suprema razão.
A verdadeira cura de todos os males é o Amor.
O Amor é o sentimento superior em que se fundem e se harmonizam todas as qualidades do coração; é o coroamento das virtudes humanas, da doçura, da caridade, da bondade; é a manifestação na alma de uma força que nos eleva acima da matéria, até alturas divinas, unindo todos os seres e despertando em nós a felicidade íntima, que se afasta extraordinariamente de todas as volúpias terrestres.
Amar é sentir viver em todos e por todos.
Se quiserdes saber o que é amar, considerai os grandes Mestres da Humanidade.  O  Amor é toda a Moral. Uma disposição sincera para ajudar nos momentos precisos a todos que nos rodeiam, estendendo-lhes um pouco de auxílio.
Não se pode progredir isoladamente. É imprescindível viver com os outros homens, ver neles companheiros necessários. O bom humor constitui a saúde da alma. Deixemos o nosso coração abrir-se as impressões sãs e fortes. Amemos para sermos amados!

Patricia Jorge Alves
Atenemg 1498
Conahom 1081
Terapeuta Homeopata
31/08/2010


O Que é Homeopatia



Texto: O Que é Homeopatia


 A Doutrina Homeopática é obra de um único homem: Cristian Friedrich Samuel Hahnemann nasceu em 10 de Abril de 1755, em Meissen;  Paris, 1843.

Samuel Hahnemann desenvolveu e sistematizou as Leis Fundamentais de Cura, que estão produzindo mudanças revolucionárias no pensamento relativo a saúde e a doença.

Cura pelo Semelhante. Os medicamentos atuam no Ser Humano produzindo os mesmos sinais e sintomas da doença. Semelhante curando Semelhante em uma potência maior do que a “Chamada Doença”.
“As doenças nada mais são do que alterações do estado de saúde do indivíduo saudável, que se expressam através de sinais mórbidos, e como a cura também é possível somente através de uma mudança de condição saudável do estado de saúde do indivíduo doente. É bastante evidente que os remédios jamais poderiam curar as doenças se não possuíssem o poder de alterar o estado de saúde do homem, que dependem das sensações e funções; na verdade, seu poder curativo deve-se apenas ao poder que possuem de alterar o estado de saúde do homem.
O procedimento sistemático de testar as substâncias em Seres Humanos saudáveis para elucidar os sintomas que refletem a ação da substância é chamado de experimentação, e os procedimentos específicos para conduzir uma experimentação, e os procedimentos que cabem às condições e circunstâncias modernas. As experimentações continuam desde o tempo de Hahnemann e são a base para a escolha de um determinado medicamento para um ser humano em particular. A manifestação do sintoma da pessoa e a manifestação do sintoma do medicamento se combinam. “São Semelhantes”, possibilitando os princípios de ressonância; fortalecendo o mecanismo de defesa, provocando a cura.

Os Físicos Quânticos trouxeram a nossa compreensão a evidência de que a matéria é também energia, que o átomo é divisível em partículas menores ainda ; que essas partículas por sua vez não tem massas, são quantuns de energia. Hahnemann extraía da matéria sua própria memória, transferindo-a para soluções álcool – água. Hoje sabemos que os quantuns subatômicos são qualificados por uma memória quântica existente na própria matéria. Cada átomo está  contido informações inimagináveis estando registrado em um lugar do Universo. Esse espaço cósmico não é físico, porque na física quântica não existe tempo e espaço. Existe memória e essa memória é anti-matéria (a matéria semelhante).

O conceito de anti – matéria (homeo) na mente, podemos entender os medicamentos homeopáticos que pelos leigos são chamados de aguinhas.

A memória do Homem e a memória da Natureza contidos no inconsciente primitivo do Planeta.
O Planeta Terra reinventaria o Homem mesmo que todos os vestígios dessa humanidade fossem destruídos por bombas atômicas, efeito estufa ou Era Glacial. James Lovelok ex- cientista da NASA diz que “O Planeta Terra está vivo e consciente, embora doente, pronto para se defender das agressões ao seu equilíbrio. E a qualquer momento pode desligar a chave geral e congelar tudo, se o Homem continuar brincando de bandido”.

“A HOMEOPATIA TRATA O DOENTE E NÃO A DOENÇA. PORQUE A DOENÇA É UMA DEFESA CONTRA A VERDADE”.


O ADOECIMENTO E A CURA

A saúde do corpo é poderosamente influenciada pelo medicamento químico do que por estímulos mórbidos (vírus, bactérias e fungos).
Quanto mais tomamos medicamentos químicos, mais fortalecemos os vírus e as bactérias ( processo mutação).
Adoecemos quando nosso organismo está predisposto e suscetível aos ataques externos, ou seja nossa freqüência vibracional está baixa na mesma proporção dos agentes morbíficos.
As doença não são alterações mecânicas ou químicas da substância material do corpo físico dependentes de uma substância morbífica material. Mas sim desarranjo do tipo não material, dinâmico da vida. “ Filosofia Homeopática” Do Homeopata James Tyler Kent.
... A Homeopatia existe como lei; as suas causas estão no mundo das causas.Se ela não existisse no mundo das causas, não poderia existir no mundo dos efeitos. É no reino das causas que devemos procurar os princípios do estudo da Homeopatia.
Todas as causas de doença se encontram na substância simples; não há causa de doença na substância concreta. Estudamos portanto a substância simples, para podermos chegar à natureza das substâncias que provocam as enfermidades. Também dinamizamos os nossos medicamentos, para chegarmos a sua substância simples, ou seja, a natureza e qualidade do próprio remédio. Para ser homeopático, o remédio deve ser similar em qualidade e similar em ação à causa da doença.....  páginas 100 e 101.

Frase extraída do livro

“TODO MEDICAMENTO QUÍMICO INOCULA DOENÇA MÉDICAMENTOSA NA PESSOA.”
Todo medicamento age em todo o tempo e em todas as circunstâncias.
Os medicamentos adoecem mais as pessoas do que as doenças naturais. Nosso organismo está suscetível e muito mais predisposto de ter seu estado de saúde perturbado por forças morbíficas (medicamentos alopáticos, química em alimentos) do que pelos agentes patológicos comuns ou os miasmas.
A doença passou a ser o alvo da medicina oficial, esquecendo-se da causa existente no Ser Humano, isto é, os sinais e sintomas. Portanto precisamos resgatar o Ser Humano, humanizar e espiritualizar os serviços de saúde, dando a humanidade uma visão holística do Ser.
Somos as únicas criaturas na face da Terra capazes de mudar nossa biologia pelo que pensamos e sentimos.
Como está seu pensamento hoje? você cria a sua realidade, olhe a sua volta, o que você construiu em sua vida? Em seu corpo?


Patricia Jorge Alves
Terapeuta Homeopata
Atenemg 1498
Conahom 1081

PHOSPHORUS Phosphorus é um corpo simples da família dos metaloides, que extraímos dos ossos calcinados pelo processo...