quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

ARNICA MONTANA







Arnica Montana é uma planta da família das Compostas, chamada vulgarmente de tabaco do Voga ou Betonia das montanhas, pela propriedade esternutatória das suas flores. É uma planta vivaz, com rizoma marrom escuro, que cresce especialmente em lugares úmidos das montanhas, onde florece entre julho e agosto.

É no momento da floração que recolhemos a planta para preparar o medicamento. Há uma mosca, a mosca – arnica, que coloca seus ovos na flor da planta, e assim acrescenta suas propriedades às da planta, propriedades essas irritantes, semelhantes aos efeitos da “mosca espanhola”. Por isso certas farmacopéias homeopáticas recomendam preparar a tintura mãe apenas com raízes frescas; outras recomendam uma boa limpeza das flores e depois a preparação da tintura mãe com a planta inteira.

Na Homeopatia emprega-se a planta inteira, inclusive com raízes recolhida no momento da floração no hemisfério norte.

As flores de Arnica Montana são empregadas desde a Idade Média para curar e cicatriza as feridas.
Extrai-se de Arnica um princípio cristalizado de um belo amarelo ouro, sabor acre e amargo, pouco solúvel na água e de natureza alcalóidica: A Arnicina; uma essência completa, concentrando éteres, ácido fórmico, acético, isobutírico, assim como uma quinona.

A experimentação homeopática confirmou a toxicologia, acrescentando os sintomas subjetivos, fazendo uma síntese completa da ação do remédio. Arnica corresponde em homeopatia aos traumatismos e suas conseqüências, pelo fato que provoca um estado hemorrágico, criando em seguida um estado subjetivo de hipersensibilidade muito grande ao toque como encontramos nos traumatismos: um órgão contuso fica sensível e doloroso ao toque. Corresponde também ao estado de intoxicação do organismo que criam os traumatismo. Os tecidos machucados, contusos ou mesmo destruídos pelo traumatismo, têm suas células dilaceradas ou esmagadas. A substância intracelular espalha-se pelo organismo sob a forma de dejetos orgânicos tóxicos e mesmo sépticos; os grandes feridos estando em estado de choque, quer sejam traumática ou não, porque quando uma doença mesmo infecciosa, um estado circulatório ou outro, desenvolver este estado de choque, Arnica será o remédio na Lei de Semelhança. Arnica é mais que um remédio dos estados traumáticos: pelo seu poder hemorrágico altera profundamente a circulação. Corresponderá a transtornos circulatórios variados. Agindo sobre o tecido muscular, podendo corresponder à fadiga, excessos físicos e notadamente à hipertrofia do coração, causadas por excessos físicos ou conseqüência de uma hipertensão. Associando o estado hemorrágico, o esforço cardíaco e o transtorno circulatório na sua sintomatologia, torna-se um remédio da hipertensão e suas conseqüências: congestão, hemorragia cerebral, hemiplegia e mesmo coma. O coma é de qualquer forma resultado de um traumatismo; Arnica se junta com Opium, Glonoinum e mesmo outros remédios deste estado. Além de ser um remédio dos traumatismos, será um grande remédio dos transtornos musculares, das hemorragias, da hipertensão, do coma, das doenças infecciosas em certos estados e mesmo um remédio mental quando o sujeito apresentar de uma forma marcada a mentalidade particular que corresponde a esses estados.

Arnica Montana age efetivamente nos músculos e no tecido celular. Pela sua influência especial sobre a fibra muscular, determina alterações na circulação arterial e capilar, pelos quais se explica sua ação nas vísceras e particularmente no cérebro e no bulbo.

Afeta de tal forma os vasos sanguíneos e especialmente os capilares, que sua dilatação e o extravasamento sanguíneo tornam-se possíveis. Produz no organismo quadros semelhantes aos que resultam de uma contusão ou traumatismo e é útil sobretudo nos casos onde o traumatismo , mesmo curado, parece ser a causa dos problemas existentes. O remédio está imperiosamente indicado após uma contusão ou desgaste excessivo de um órgão, um esforço muscular, quando o corpo e os membros doem como se tivessem sido golpeados ou que a cama fosse muito dura.

Na sua patogenesia Arnica Montana produz sob a pele equimoses como as que vemos após uma contusão e favorecem a reabsorção do sangue extravasado, evitando a supuração. Está especialmente indicado quando um traumatismo anterior é a causa primitiva da doença que afeta o indivíduo. Após um traumatismo ou excesso do uso algum músculo ou uma entorse.
Em uma contusão, arnica será o primeiro, mas para a fraqueza dos tendões, podendo seguir um quadro semelhante, Rux Toxicodendron será seu complementar.
Se a fraqueza e sensibilidade dolorosa persistirem nas articulações, após Rux Toxicodendron, estará indicado Calcarea ostrearum.

DOSE INTOXICANTE

Vê-se aparecer simultaneamente transtornos digestivos, nervosos e circulatórios. Há esforços de vômitos, uma ansiedade extrema, um sentimento de constrição no diafragma, em seguida sobrevém uma dispnéia mais ou menos intensa, delírio, abaixamento da velocidade do pulso que se torna cheio; em seguida suores frios, hemorragias, dejeções sanguinolentas, movimentos convulsivos dos membros e mesmo tremores de todo o corpo.


TOXICOLOGIA

A Arnica é segundo Richaud um veneno paralisante medular cuja ação aproxima-se um pouco do extrato fluido, em injeção subcutânea, matam uma cobaia. Em doses mais elevadas no homem, produz náuseas, vômitos e hemorragias. Cazin estudou bem os efeitos tóxicos de Arnica; segundo ele, os efeitos primários consistem em uma viva irritação digestiva; os efeitos secundários em uma excitação do cérebro e do sistema nervoso. Se a dose intoxicante é mais forte, vê-se aparecer simultaneamente transtornos digestivos, nervosos e circulatórios. Há esforços de vômitos, uma ansiedade extrema, um sentimento de constrição do diafragma, em seguida sobrevém uma dispnéia mais ou menos intensa, delírio, abaixamento da velocidade do pulso que se torna cheio; em seguida suores frios, hemorragias, dejeções sanguinolentas, movimentos convulsivos nos membros e mesmo tremores em todo o corpo.

 Envenenamento pela Arnica se apresentará de três maneiras, conforme Charette:
Desencadear crises de espirros, por isso é também conhecida pelo nome de Tabaco dos Voges ou Betonia das montanhas.
Forma Gastrointestinal: câimbras estomacais, náuseas, diarréia coleriforme; sintomas nervosos de sonolência, vertigens , tremores e até convulsões. Vômitos.
Forma Nervosa: coma com perda completa do conhecimento; convulsões tônicas, com contrações fibriliares. Paraplegia.
Forma cardíaca: Pressão dolorosa retro – esternal, com angústia, diarréia, parada cardíaca, pulso fino e irregular. Produz sob a pele equimoses como os resultantes de uma contusão, queda; favorece a reabsorção de sangue extravasado, evitando a supuração.

Transtornos por cólera, más notícias, excitação emocional, susto, pena, apuro, raiva, perdas econômicas. Sensibilidade a todas as impressões externas, à dor, ao ruído. Assusta-se com facilidade, por trivialidades. Irritável.
Principal medicamentos dos traumatismos, contusões e golpes, principalmente de partes moles, acompanhadas de extravasamento sanguíneo.

É útil após uma extração
 dentária e para deter a hemorragia. Será útil para reabsorver os hematomas e para a cicatrização das fraturas, sempre provocadas por traumatismo.
Intervenções cirúrgicas que são sempre traumatizantes para o organismo e após um parto.
Pessoas que ficam em estado de choque por motivos diversos, podendo chegar a uma prostração , inconsciência ou coma.

O esforço cardíaco e o transtorno circulatório. Torna-se um medicamento para hipertensão e suas conseqüências: congestão, hemorragia cerebral, hemiplegia, comoção cerebral, meningites de origem traumática; fraturas no crânio; quando suspeitam de extravasamento sanguíneo.
Em situações de Stress, susto e sobressalto por trivialidades inesperadas; hipersensibilidade ao extremo; traumatismo físico fechado (aberto dê Calendula);  traumatismos oculares (Ledum Palustre); afonia dos oradores, fadiga, esforço físico bem como mental.

Asma por degeneração gordurosa no coração. Dor no coração como se estivesse apertado, ou como se estivesse levado um choque. Fadiga cardíaca, palpitações que sobrevêm depois de um movimento. Angina pectoris: sensação de machucado. Ataques violentos de angústia.Todo eito é doloroso como machucado.



Arnica Montana cresce nas montanhas(sobre as pedras). Adapta-se bem as pessoas rudes, duras e ásperas, pouco afeitas ao contato e a conversa. O Paciente Arnica pode ser uma pessoa dura, autoritária e ególatra, acredita saber tudo melhor que ninguém e, portanto, não tem nada que aprender. É orgulhoso, violento e temerário.
Sente que a cama é muito dura(assinatura do medicamento, arnica cresce nas montanhas entre as pedras). Tem a sensação que o corpo está machucado, dolorido e cansado. Não quer que o toquem, temor de ser tocado, nem sequer quer se aproximem. Hipersensibilidade está relacionada com os temores ao dano, à injúria, a que passe algo. A consciência exagerada de sua gravidade e ao mesmo tempo a negação pelo temor da mesma com a indiferença, condicionam o estado de alerta de Arnica.

Arnica é útil quando a mulher tem uma hipersensibilidade excessiva aos movimentos do feto, sendo dolorosos e insuportáveis.
O sono e a mentalidade de um doente são sempre reflexos de seu estado físico. O nosso psiquismo acaba sempre se colocando em diapasão com as nossas misérias corporais. Um traumatizado, machucado, contuso, temendo que o toquem, começa por dormir mal, não podendo permanecer deitado no mesmo lugar, agitando-se e mexendo-se constantemente procurando uma posição melhor. Seu sono será agitado, cheio de pesadelos e sonhos penosos( trauma de um acidente, susto, perda, assalto); podendo ocorrer terrores noturnos, podendo gerar palpitações cardíacas É próximo de Opium pelos maus efeitos do medo. O mental ficará impregnado de tristeza podendo criar um grande vácuo em seu mental bem como no emocional.
Afecções da Bexiga pós traumáticas ou pós operatórias.

O Fundo Psórico de Arnica, apresenta uma hipersensibilidade, insegurança, temor da morte. Temem o infortúnio e divide com Argentum Nitricum o temor que caiam paredes e edifícios em cima. Temem o infortúnio que para ele seria morrer subitamente e de um golpe. É sensível a todo choque, movimento ou exercício, a leitura e reflexão.
Naturalmente é muito sensitivo, sem dúvida sua aguda sensibilidade mental se volta muito exagerada; e as emoções mentais lhe provocam cefaléia, que lhe traz irritabilidade; sobressaltos; aqui vemos claramente sua angústia existencial, o sofrimento de um medicamento que perde sua agilidade física e mental e agora sofre por ter que executar tarefas com limitações mentais e físicas.
Arnica tem a impressão de que a vida já lhe deu uma grande pancada. Ou ainda em Hahnemann quando diz: “Tem sonhos a respeito de pessoas escoriadas que resultam muito aterrantes”.

Desconforto da Mente e do Corpo como se estivesse evitando fazer algo que é extremamente necessário, acompanha total falta de disposição para realizar qualquer tipo de trabalho. Sensação de não ser bom pra nada, falta de esperança. Apreensão por males futuros. Bagatelas inesperadas lhe assustam. Horror de morte instantânea, com angústia cardíaca à noite. Medo de ser atingido por aqueles que vêm em sua direção.

Na sua defesa Sicótica, com sintomas reativos como esquecimento, o que acabou de ler, escapa de sua memória,esquecendo as palavras que está por dizer; apresenta uma alegria irreflexiva com grande frieza e picardia;  arrogância e atrevimento. Diz que não há nada de problema com ele. É contraditório, nada pode ser feito para satisfazê-lo. Obstinado e “cabeça dura”, resiste a opinião dos outros. Rabugice, deseja todo tipo de coisa e posteriormente as repele. Só ele sabe!

No Sifilinismo: desgosto pelo trabalho, aversão ao trabalho mental. Recusa-se a responder, não gosta de simpatia. Sente indiferença por suas ocupações.
Inconsciente quando lhe falam, indolência, indiferença às ocupações. Se sente inútil, não pensa em nada.

A claudicação do intelecto configura o clássico sintoma observado nos estados de perda de consciência: “O estupor retorna rapidamente depois de responder”. O enfermo responde corretamente as perguntas que lhe formular, mas muitas vezes não termina a resposta e cai de novo no estupor.



Uma Planta que nasce nas montanhas, na pedra, parecendo sensível, singela, flores pequenas com caules finos e longos com facilidade de quebra, e que guarda em sua assinatura um grande poder curativo!


Patricia Jorge Alves
Terapeuta Homeopata 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PHOSPHORUS Phosphorus é um corpo simples da família dos metaloides, que extraímos dos ossos calcinados pelo processo...