terça-feira, 19 de janeiro de 2016

ANTIMONIUM CRUDUM







ANTIMONIUM CRUDUM

O ROMÂNTICO......


A forma mineral de Antimonium Crudum é muito comum e é chamada de estibnita. Encontra-se, principalmente no Japão, na ilha de Chikoku e nas minas em Ichinokawa. Os cristais, nessa mina, podem atingir uma altura de 60 cm e uma largura de cinco centímetros, o que os torna úteis como estacas para cercar certas áreas. Os cristais em geral, estão colocados perpendicularmente ao campo magnético da Terra.
O Antimonium também forma sulfetos com os outros metais. Com o Chumbo, Prata, Cobre, Mercúrio e Níquel.
Antimonium Crudum é sulfeto de antimônio. O Aspecto sentimental e romântico é devido a influência do sulphur.
O caráter obstinado, contrário e colérico de Antimonium Crudum é bastante conhecido, porém, na verdade este sintoma, junto da sensibilidade ao toque e da aversão a que olhem para ele, são elementos comuns a todos os Antimonium.
O nome deriva do termo grego “antimonos”, que quer dizer “contra a solidão”. A abreviatura Sb vem do nome latino stibium, que significa “barra de marcar”. Foi descoberto por volta de 1450.
O Antimonium se parece ao Arsenicum; é uma substância metálica branco prateada, brilhante e quebradiça, facilmente pulverizada. Raramente se encontra em sua forma pura: via de regra, o encontramos em combinação com outros elementos, principalmente na forma de sulfetos e de óxidos.
É utilizada em baterias de Antimônio-Chumbo e em ligas de Estanho. Também na pirotecnia e na manufatura de têxteis, borracha e vidro.

A origem do nome “Antimônio”, como é dada no livro intitulado “O Carro Triunfante do Antimônio”, publicado em 1604, foi a de que Valentine, decidiu experimentar a produção dos mesmos efeitos, ministrando Antimônio a Monges que se haviam emaciado em consequência dos jejuns. Os Monges morreram. Por isso, com horrível sentido de humor, “Valentine” deu, àquela substância, que até então tivera outro nome, a denominação de “Antimônio”, para significar “antimonge”, ou ainda, “veneno mortal para monges”. (O Homem e a Medicina, Mil anos de Trevas, Ritchie Calder, Ed. Hemus).

O Antinonium Crudum (ou minério cinza de antimônio, cuja sinomínia é Stibium sulphuratum nigrum) é composto pelos metaloides enxofre e antimônio, e sua designação química é sulfeto de antimônio; é assim encontrado na natureza, na forma de blocos que se assemelham a agulhas negras paralelas, com um brilho quase metálico. Samuel Hahnemann descreve que é composto de 28 partes de enxofre para 100 partes de antimônio.

Conhecido pelo menos desde a antiguidade grega, era utilizado localmente para a cura de úlceras nos olhos e pele, bem como internamente para provocar emese; são descritas intoxicações pela ingestão de alimentos que, por serem ácidos, permaneceram por muito tempo em contato com louças esmaltadas e de porcelana (nas quais o antimônio é empregado na fabricação), resultando na formação de solução de antimônio; sua intoxicação se caracteriza por rápido início dos sintomas gastrointestinais, seguindo por colapso circulatório grave.

Sua utilização homeopática foi introduzida por Hahnemann, que o experimentou juntamente com quatro outros colegas e o indicou na segunda edição de “Doença Crônica” (1835-9) como um novo medicamento (além de outros) para uso no tratamento da psora.
Antimonium: Perda da Criatividade, Não tolera ser observado, sacrifício, mártir, veneno.
Crudum = Sulphuratum : Amor, casamento, parceiro, Amor de si mesmo, egoísmo, ciúmes, alegria, satisfação, harmonia, estética, preguiçoso.
A perda da criatividade significa a perda do amor: Sentem que vão perder sua criatividade e, com ela, o amor e o respeito de seus amigos e familiares. Por isso, precisam ser diferentes o tempo todo, produzir alguma coisa que bata de frente com as expectativas habituais, só para chamar a atenção, para se assegurar que as pessoas o enxergam.
A perda da criatividade compensada pelo amor: uma variação desse tema é quando procuram compensações para a perda. A perda não é tão ruim assim; começam a construir um quadro romântico do amor, tornando-se sentimentais, sacrificando-se totalmente em prol do amor.
Relacionamentos envenenados: O relacionamento nem sempre é um mar de rosas. Antimonium Crudum espera muito do outro, vivenciando as falhas do relacionamento como uma falta de cooperação, agindo de uma maneira obstinada, gerando ciúmes, recusando-se ser ajudado, aborrecendo-se com tudo, surgindo uma irritabilidade se forem observados sendo que qualquer atitude é considerada uma ofensa.
Suas vestimentas são geralmente românticas, mas quando não se sentem amados ou sentem-se rejeitados, buscam chocar em suas atitudes com roupas e cabelos  diferenciados dos demais.
Quando as coisas dão realmente errado e seus talentos deixam de ser apreciados, se tornam difíceis e contrários. Estão tão ofendidos, que não querem que ninguém olhem ou toquem neles. A causa pode ser uma decepção amorosa, tornando-se mal humorados, preguiçosos ou negligentes, podendo tornar-se suicida.
Medos são diversos: espaços estreitos, de sufocação, de engasgar, de ficar sozinho, doença, de morte, do futuro, de que se aproximem dele, feiura, de pobreza, de barulhos diversos.
São mal humorados, obstinado, rabugento, melindroso, colérico, grita quando é contrariado, sendo que a cólera produz tosse, vômitos ou suspensão da respiração.
Seu humor é mutável: faz caretas, é alegre, travesso, brincalhão e engraçado mas,  torna-se apático, deprimido, melancólico com uma hipersensibilidade, choroso se desespera podendo chegar ao suicídio.
Seu sono é entrecortado com sobressaltos. Ama à noite e principalmente a Lua. Romântico, um sonhador.
Gosta muito de música e sons de sino. Alma de artista, pintor, escultor, músico, extremamente sensível às impressões externas.
Hahnemann cita que é um medicamento útil quando os seguintes sintomas estiverem presentes:
Intolerância numa criança, ao ser tocada ou olhada; fluxo de sangue na cabeça; coceira incomodativa na cabeça, com queda de cabelos; vermelhidão e inflamação das pálpebras; amígdalas doloridas; calor e coceira nas bochechas; longa e contínua perda de apetite, eructos com sabor do que foi ingerido; náusea; cólica com perda de apetite; fezes duras e de emissão difícil; descarga constante de muco branco amarelado do ânus; micção frequente com muita emissão de muco e queimação na uretra, com dor na região sacra; dor cortante na uretra durante a micção; dores violentas nos membros inferiores; sensibilidade ao frio e sonolência”.
Segundo Jahr, deve ser considerado nos casos de “inflamações reumáticas dos músculos; afecções artríticas com inchaço e nodosidades, nas contrações reumáticas dos músculos, com curvatura dos membros”.
Allen nos fala que os sintomas mudam de local, e vão de um lado para outro no corpo.
Nash chama a atenção para a capa grossa e branco leitosa na língua, que aparece em vários transtornos: em desarranjos de estômago, principalmente por excesso de alimentação, especialmente por comida gordurosa, com náuseas; relata que vários medicamentos apresentam este tipo de língua, mas este é o principal.
Casos reumáticos guiam-se pela extrema sensibilidade na sola dos pés, agravação pelo calor do sol, calor do fogo e banhos frios, como por exemplo em casos em que os problemas começam após nadar.
Hughes lembra sua extrema eficácia em problemas de pele, especialmente na face, nos genitais e na sola dos pés, que são extremamente sensíveis; excrescências córneas em qualquer lugar da pele, primária ou secundária purulentas, com grande coceira e dor.
Kent cita o centro de todos os sintomas localizando no estômago, não importa qual o transtorno. Sente o estômago muito cheio como se estivesse comido muito. Há uma ausência de viver em Antimonium crudum.

Já Vannier indica para eczema, urticária, acne, indigestões, intoxicações alimentares, transtornos gástricos, enterite, hemorroidas, gota e reumatismo.
Sintomas Mentais descritos em Doenças Crônicas de Samuel Hahnemann:
Contínuo estado de êxtase de amor entusiasmático, desejando uma mulher ideal que preencha sua fantasia; mais ao andar ao ar livre do que num quarto; desaparece após vários dias com uma aparente dimunuição do impulso sexual.
Melancolia, humor irritado toda a tarde; choro ao som de sinos, choro quando se lava em água fria; tudo o que cerca leva-o até a chorar; sua respiração é trabalhosa e curta.
Muito inclinado a assustar-se com um pequeno barulho. Mal humorado todo o dia.
Irritado sem vontade de falar com ninguém. Se sente incomodado e fica de mal humor por qualquer coisa. Melancólico quando o tocam.
Temor do infortúnio; temor do mal; temor da morte; temor por ruídos; temor com tremores; temor a ser tocado.

Na psora evidencia-se como principal o núcleo afetivo, apresentando fantasias exaltadas especialmente com relação á busca de uma mulher ideal, mostrando-se portanto afetuoso e amoroso. O sintoma que se sobressai então é o imenso sentimentalismo ao apresentá-lo melancolicamente a luz da lua ou a luz suave, como a filtrada por um vidro; aparece também uma irresistível vontade de falar em rimas ou fazer versos. Sofre, assim, de transtornos por decepção amorosa e por pena; é assustadiço, impressionável, choroso e ansioso – antes de tormenta elétrica (phosphorus), com temor a ser tocado, ao ar livre, pelo futuro, com cansaço da vida – além de temeroso.
Mas de forma muito próxima a essa psora, apresenta uma forte sífilis com grande dificuldade de contato e tristeza (caminhando ao ar livre, por ruído), uma seriedade meditativa calada, absorta. E há uma grande  misantropia com aversão a ser tocado e aversão a companhia; está descontente, desalentado e indolente, sente fastio da vida e cansaço de viver, com desejo de morte e disposição suicida por desespero, afogando-se ou com uma arma de fogo.
Isto tudo é temperado por humor sicótico repulsivo, extremamente antipático, irritável (por bagatelas, por cefaleia, em crianças), desconfiado, impaciente, inquieto, obstinado e caprichos; agrava ao ser olhado, é contrário e intolerante á contradição, e tem cólera quando é tocado, sendo que a carícia lhe provoca náuseas e vômitos (agregado).
Tem sonhos numerosos; são esgotantes e aterradores com acidentes, traumatismo, mortes, mutilações, brigas, cólera, ou agradáveis com festejos e eróticos com poluções.
Deseja coisa ácida, cerveja, pepinos e picles. Tem aversão a comida em geral e ao leite materno.
Agrava com comida azeda, carne de porco, doces, frutas, gorduras, manteiga, pão, vinagre, comida nutritiva e comidas e bebidas frias.
Antimonium tartaricum Tartarato duplo de Antimônio e Potássio, é um sal tóxico, em forma de cristais octaedros incolores, transparentes, que ao ar livre se cobrem lentamente de um pó branco. É inodoro, com sabor ácido nauseante e solúvel em álcool. Sua fórmula química é: C4H4O7Sb. As três primeiras dinamizações são obtidas por trituração e as seguintes por diluições sucessivas. LATHOUD: Age  especialmente no sistema nervoso e ganglionar e tende a aniquilar a vitalidade, exercendo uma ação debilitante, que leva a diminuição do fluxo nervoso dos tecidos, e nos órgãos da vida vegetativa do corpo de maneira geral e particularmente nos pulmões e vísceras abdominais. É um depressor do sistema nervoso, por intermédio do qual produz paralisias motoras e sensoriais, com perda dos reflexos, bem como por ser emético provoca ainda enfraquecimento da força muscular. Tem atividade como depressor cardíaco agindo profundamente na circulação, leva a degeneração gordurosa do miocárdio, causam erupções na pele, e importante atividade nas mucosas provocando muito catarro.


Aqui a palavra tema em concordância com este medicamento é: lerdo (congestão), devagar quase parando, seria a paródia que mais ilustra tanto o comportamento físico como o mental.
Tais indivíduos apresentam um jeito lerdo de ser, com indiferença que acarreta uma um estado de desanimo, até seu catarro é lerdo para sair, dai fica congestionado no peito necessitando vomitar para poder expectorar um pouco.
É o grande folgado da matéria médica.
Quer ficar encostado, irritados e mau-humorados, especialmente, após tossir, ao mesmo tempo inquietude e desassossego, medo de ficar só, mas ao mesmo tempo deseja solidão e também fala consigo mesmo. Tendência suicida, transtornos por ira e vexame. Uma grande prostração que lhe dá vontade de ficar afundado na cama, sonolência que piora com a tosse. Importante sensação de asfixia progressiva e iminente. Todos os sintomas físicos e inclusive os mentais agravam com a umidade, em ambientes mofados.

1.   Vertigem ao fechar os olhos ou levantar a cabeça do travesseiro.
2.   Cefaléia como se algo apertasse a cabeça, tremedeira na cabeça e nas mãos. (como Parkinson)
3.   Olhos fundos e olheiras.
4.   Nariz afilado, batimento de asa do nariz, corizas, rosto pálido e cianótico, sacudidas no rosto ao tossir, tremedeiras no queixo e a boca fica aberta após ter bocejado.
5.   Língua cianótica, sialorreia, paladar prejudicado nas crises de coriza.
6.   Apetite diminuído, difícil hidratar nos transtornos bronquiais, pois não tem sede e se forçar, vomitam.
7.   Transtornos gastrintestinais, acompanham os pulmonares, faz parte dos grandes vomitadores da matéria médica, vômitos de todas as formas: biliosos, catarrais, dolorosos, matutinos, etc.
8.   Cólicas abdominais antes de defecar, sensação de ter o Abdome cheio de pedras, constipação que alterna com diarreia. Diarréia na pneumonia.
9.   Urina escura ou avermelhada com filamentos sanguíneos, com dores violentas na bexiga.
10.               Catarro laríngeo, especialmente em idosos
11.               Voz fraca, segura a garganta para tossir.
12.               Ruídos estertorosos no peito, bronquiais que são ouvidos à distância, provocados por uma grande quantidade de muco acumulado no sistema respiratório, com incapacidade para expectorá-lo (parece que vai expectorar muito mas não sai nada). Os ruídos no peito melhoram quando deitados. Respiração acelerada, abdominal, ruidosa, desigual, intermitente, curta, trêmula, assobiante, enfim, uma importante dispneia. Desta forma entendemos como um grande medicamento para asma, bronquite, doenças pulmonares.
13.               Ansiedade e calor precordial, sensação de ardor no peito.
14.               Extremidades frias.
15.               Importante dor lombar.

No seu estado mental: uma grande tristeza com disposição sentimental , ao lado da características de crianças que não suportam serem tocadas ou olhadas, é uma verdadeira pérola.
Criança romântica: inspira-se na luz da lua.
A Sensibilidade é o sintoma chamativo de Antimonium Crudum, pois desde cedo apresentam uma veia romântica, sentimental; sendo assim, costumam recitar poemas, inventam música com trovas, dizem coisas em rima e se emocionam olhando a luz da Lua. Tudo isso é vivenciado com muita exclusividade, pois como disse anteriormente “não toleram ser observadas”, encaradas ou tocadas, tornando-se zangadas, rabugentas se alguém , por perto olhá-las com certa insistência.
Desde os primeiros meses a criança de Antimonium Crudum apresenta terror noturno com sono agitado; demonstra alegria em passear; entretanto, agrava se permanecer no colo andando de um lado para outro chacoalhando , o que lembra e o “diferencia” de Chamomilla (outra passeadora).
A mesma sensibilidade que a induz a escrever poemas também a leva a ser impressionável, chora por pequenas coisas, perde o fôlego e desmaia não por birra ou histeria mas por impressionabilidade.
Para que o indivíduo esteja harmônico em seus sentimentos e emoções e esteja vibrando no medicamento “Antimonium Crudum”, tome uma dose e sinta a melhora e o restabelecimento do mental, emocional ajudando a trazer a cura no grau mais alto e profundo. Para que cumpra os mais altos fins de nossa existência!


Patricia Jorge Alves
Terapeuta Homeopata
Hipnóloga Condicionativa








Nenhum comentário:

Postar um comentário

PHOSPHORUS Phosphorus é um corpo simples da família dos metaloides, que extraímos dos ossos calcinados pelo processo...